Para evitar problemas como baixa produtividade, dificuldades para entender os clientes e suas respectivas necessidades e também para a gestão e análise das informações do negócio, devemos estar por dentro das tendências em ciência de dados.

Fundamental e de extrema importância para o sucesso das empresas, esse campo de estudo tem revolucionando a maneira como as organizações em geral estão observando o mercado.

Essa “nova” observação está contribuindo de forma significativa para a otimização dos processos internos, a criação de campanhas de marketing, o aumento das vendas e o bom relacionamento com o público.

Neste artigo, especificamente, vamos apresentar as 4 principais tendências em ciência de dados. Não perca essa leitura. Confira!

1. Automação via softwares

A automação via softwares (operações autônomas de um sistema ou de algum processo específico), embora já não seja mais nenhuma novidade, certamente pode ser inclusa nas tendências em ciência de dados.

E o porquê disso? A resposta: porque uma não vive sem a outra. Para facilitar a sua compreensão, saiba que a ciência de dados é o que permite a aplicação da Internet das Coisas (IoT) e da Inteligência Artificial (IA), tecnologias que podem ser usadas para filtrar, ingerir e destacar as informações de um dispositivo eletrônico.

Logo, poderão ser utilizadas para desenvolver e/ou aprimorar uma enorme quantidade de plataformas de automação. Em resumo, é o estudo e o empoderamento dos dados que possibilitará a evolução das automatizações via softwares.

2. Blockchain

Um dos tópicos mais quentes do momento, o blockchain vem ganhando cada vez mais notoriedade devido à expansão de mercado das criptomoedas, a exemplo do Bitcoin.

E esse interesse aumentará de modo considerável, exponencial, pois a tecnologia blockchain já se mostrou extremamente relevante para uma série de indústrias: ela se refere a um tipo de sistema que permite o compartilhamento de acesso aos mesmos dados, descentralizando o armazenamento das informações.

Nesse caso, mais uma vez, a ciência de dados estará atuando na sua base de criação.

3. Uso de data lakes

Apesar de pouco difundido, o uso dos data lakes também está entre as principais tendências em ciência de dados. O ponto a destacar, aqui, é que diversas organizações estão coletando e armazenando informações nos chamados “silos departamentais”.

Esse procedimento resulta em um outro termo, o “pântano de dados”, que se refere a um campo de informação repleto de insights poderosos.

Porém, o desafio é reconhecê-los e organizá-los de forma a tornar esses dados uma inteligência de negócio. É é justamente aí que o aspecto científico entra em cena.

4. Machine learning

Não menos importante é o machine learning (aprendizado de máquina), uma tendência forte e que estará em plena evidência nos próximos anos.

Sem a ciência de dados, seu desenvolvimento é impossível, já que para desenvolver essa tecnologia é necessário criar uma rede neural artificial, que, por sua vez, é baseada em uma estrutura capaz de aprender e operar a partir dos dados coletados.

Para finalizar, não se esqueça de que a velocidade com que as mudanças estão ocorrendo está mais rápida do que nunca. Quando você menos perceber, essas tendências em ciência de dados já serão uma realidade em praticamente todos os aspectos da indústria, comércio e serviços.

O que achou deste artigo? Gostou? Então, assine a nossa newsletter agora mesmo!

Leandro Guimarães
Leandro Guimarães é o fundador da Know Solutions e trabalha com Business Intelligence desde 2009. Possui amplo conhecimento em Modelagem Dimensional, Data Warehouse e na plataforma Pentaho.

Foi aluno de Ralph Kimball, maior referência mundial no assunto, no curso de Modelagem Dimensional realizado pela Kimball University, em Estocolmo – Suécia.

Já ministrou diversas palestras sobre o tema e atualmente mantêm o blog da Know Solutions, com referências sobre Business Intelligence.

Pós Graduado em Gestão de Projetos de Software pela PUC – Paraná. Trabalhou durante 7 anos na empresa Siemens onde participou de projetos em diferentes países.