Já reparou que toda empresa está interligada a outras? Para que seu cliente seja atendido de forma eficiente e seus anseios sejam sanados, uma marca depende de boas parceiras. Na Supply chain, a cadeia de empresas interdependentes, estão inseridas todas as partes que permitem fabricação, comercialização e entrega dos produtos ao comprador final.

Da cadeia de suprimentos participam os parceiros que viabilizam o funcionamento do mercado: fornecedores de insumos, fabricantes, transportadoras, comerciantes, armazéns, colaboradores e o próprio cliente. Apesar dos distintos propósitos de mercado, todos são, de certa forma, dependentes uns dos outros.

Como fazer, então, uma gestão de Supply chain e potencializar seus diferenciais competitivos? Separamos dicas imbatíveis! Acompanhe!

Conheça a fundo suas despesas

Em um levantamento divulgado pelo Supply Chain Forum, foi estimado que apenas 12% das organizações de pequeno porte centralizam suas compras em um único departamento. Se diversos setores da empresa estão comprando de forma independente, mensurar o dinheiro despendido nessas transações se torna um desafio.

Para conter esse transtorno e fazer boa gestão de Supply chain, é interessante solicitar uma consultoria. É preciso analisar quais setores têm mais gastos e repensar estratégias e contratos, gerando negociações melhores com seus parceiros.

Se uma empresa não conhece suas necessidades de insumos, por exemplo, fica complicado solicitar a quantidade ideal ao fornecedor. Seguindo o mesmo raciocínio, se a marca desconhece sua capacidade financeira, pode extrapolar nas compras e colocar suas finanças no vermelho.

Abra mão de processos arcaicos

Outro erro frequente na gestão de Supply chain diz respeito aos processos mal desenvolvidos, aliados a ferramentas pouco eficientes. Se a empresa ainda utiliza métodos arcaicos — planilhas, arquivos, escaninhos e papelada —, todos os processos se tornam mais lentos, e o tempo dos colaboradores é desperdiçado.

O segredo para acertar na gestão é fugir das tarefas repetitivas, que têm pouco valor agregado. Acompanhar cada etapa da cadeia de suprimentos permite identificar os processos que não estão respondendo bem e remodelá-los ou aboli-los completamente dos seus planos de ação.

O gestor não deve resistir às automações. Com a tecnologia em constante avanço, mais tarefas podem ser destinadas aos softwares, desafogando a equipe de colaboradores, que fica livre para focar em planos estratégicos.

Analise indicadores de risco

As empresas que ainda não têm muito domínio sobre a gestão de Supply chain podem ter dificuldade quando chegar a hora de mapear riscos. Isso pode impedir os gestores de mitigar os erros, o que, por consequência, dificulta o trabalho e reduz os lucros.

Para calcular a propensão da empresa aos riscos, é importante realizar um planejamento de contingência. Parece complicado? A gente simplifica: monte um comitê de análise de riscos que permita mapear possíveis crises e traçar ações para contorná-las. Leve em consideração o comportamento dos clientes, as mudanças do mercado, as evoluções tecnológicas e a capacidade do seu orçamento para contornar os problemas.

Qualifique sua rede de fornecedores

Muitas empresas desconhecem a importância das parcerias para o negócio crescer. Se a organização não reconhece capacidades e pontos negativos dos seus fornecedores, pode comprometer sua atividade-fim — o que prejudica, inclusive, sua reputação diante dos consumidores.

Para não cometer esse erro na gestão de Supply chain, a dica é submeter seus fornecedores novos a uma avaliação. Nessa análise, devem ser considerados pontos, como: estabilidade financeira, cultura empresarial e credibilidade no mercado de cada parceiro. Conhecê-los ajuda a evitar transtornos e fechar melhores negociações.

Utilize ferramentas tecnológicas

Além da falta de um time inteirado na cadeia de suprimentos, as pequenas e médias empresas (PMEs) sofrem da ausência de uma unidade de TI própria. Especialmente quando se é novato no empreendedorismo ou se tem um posicionamento empresarial conservador, adotar estratégias digitais pode representar uma barreira.

Portanto, para potencializar a gestão de Supply chain, as tecnologias recentes são a solução mais acertada. Um sistema como o Customer Relationship Management (CRM) ajuda a gerenciar os dados dos clientes, estreitando o laço afetivo com o consumidor. Já o software Enterprise Resource Planning (ERP) administra o fluxo de informações da empresa, integrando e gerenciando seus dados e processos.

Agora que você já sabe como fugir dos erros na gestão de Supply chain, é hora de escolher ferramentas de business intelligence. Entre em contato conosco e conheça a Know Solutions!

Leandro Guimarães
Leandro Guimarães é o fundador da Know Solutions e trabalha com Business Intelligence desde 2009. Possui amplo conhecimento em Modelagem Dimensional, Data Warehouse e na plataforma Pentaho.

Foi aluno de Ralph Kimball, maior referência mundial no assunto, no curso de Modelagem Dimensional realizado pela Kimball University, em Estocolmo – Suécia.

Já ministrou diversas palestras sobre o tema e atualmente mantêm o blog da Know Solutions, com referências sobre Business Intelligence.

Pós Graduado em Gestão de Projetos de Software pela PUC – Paraná. Trabalhou durante 7 anos na empresa Siemens onde participou de projetos em diferentes países.