Todos os programas e aplicativos que utilizamos são desenvolvidos por meio de milhares de linhas de código. Editores de texto gratuitos para programação podem ser facilmente baixados na internet, mas nem toda solução digital oferece a oportunidade para que o usuário a modifique de acordo com suas preferências. Felizmente, esse não é o caso do Open Source.

A definição foi estabelecida pela Open Source Iniciative (OSI) a partir do texto original da Debian Free Software Guidelines (DFSG) e determina o que, exatamente, um programa de código aberto deve garantir. Mas conheceremos agora as características principais desse tipo de software. Confira!

1. Distribuição livre

Um diferencial do Open Source é que a sua licença não pode ser vendida de forma alguma. A distribuição deve ser realizada gratuitamente, mesmo que outros programas funcionem como componentes daquele software específico.

Desse modo, os programadores podem até vender versões modificadas, mas outras pessoas terão os mesmos direitos de alterar esses novos programas.

2. Trabalhos derivados

A licença do software deve conter uma permissão para que trabalhos derivados sejam produzidos, assim como modificações diversas.

Além disso, ela também possibilita que a distribuição seja realizada sob os mesmos termos da licença original.

3. Fontes diferenciadas de suporte

Essa característica é uma das preferidas dos usuários, já que a comunidade de entusiastas desse tipo de programa é bastante engajada e acolhedora. Dessa forma, os participantes estão em debates contínuos, com sugestões de melhoria em softwares pipocando a cada minuto.

Podemos citar o sistema operacional Linux como uma solução Open Source com documentações de alto nível espalhadas pela web — com acesso inteiramente gratuito. Além disso, muitos fóruns são alimentados diariamente para oferecer suporte aos usuários.

4. Abertura do código-fonte

Quando utilizamos softwares conhecidos como proprietários, é comum encontrar promessas dos fornecedores sobre o alto nível de segurança oferecido pelo programa. Porém, ao contrário da solução Open Source, não é possível conferir as linhas de código para ter certeza.

Dessa forma, os softwares Open Source oferecem uma confiabilidade diferenciada. Isso porque torna possível a possiblidade de certeza sobre para onde as suas informações estão sendo enviadas, pela abertura da visualização do código. O navegador DuckDuckGo, por exemplo, tem se notabilizado como uma alternativa às opções tradicionais, que acumulam dados sobre os usuários.

Por fim, é interessante diferenciar dois tipos de programas que costumam ser tratados como iguais: softwares livres e Open Source. Assim, a primeira opção se relaciona às soluções digitais em que a pessoa física ou jurídica recebe uma permissão de uso para modificar o código-fonte e as funcionalidades.

Assim, o usuário tem liberdade para alterar o programa de acordo com suas preferências, adequando a ferramenta ao seu uso específico. Contudo o ponto fraco é que essa solução digital não é completamente gratuita.

Já com as os softwares Open Source, é possível se livrar dos gastos de locação do produto e ainda ter acesso livre ao código-fonte. Além disso, a personalização é bem mais rápida e prática. Como foi possível perceber no post, esses programas são as soluções digitais mais completas, tanto em termos de redução de custos como em funcionalidades.

Quer continuar lendo nossos conteúdos e conhecer mais sobre tecnologia e soluções Open Source? Então assine a nossa newsletter para visualizar nossos artigos em primeira mão!

Leandro Guimarães
Leandro Guimarães é o fundador da Know Solutions e trabalha com Business Intelligence desde 2009. Possui amplo conhecimento em Modelagem Dimensional, Data Warehouse e na plataforma Pentaho.

Foi aluno de Ralph Kimball, maior referência mundial no assunto, no curso de Modelagem Dimensional realizado pela Kimball University, em Estocolmo – Suécia.

Já ministrou diversas palestras sobre o tema e atualmente mantêm o blog da Know Solutions, com referências sobre Business Intelligence.

Pós Graduado em Gestão de Projetos de Software pela PUC – Paraná. Trabalhou durante 7 anos na empresa Siemens onde participou de projetos em diferentes países.